Os milagres de Jesus – Pr. Alcione Alves


TEXTO ÁUREO

Homens israelitas escutem estas palavras: A Jesus Nazareno, homem aprovado por Deus entre vós com maravilhas, prodígios e sinais, que Deus por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis. A tos 2.22.

VERDADE PRÁTICA

Os milagres são acontecimentos extraordinários que têm como principal objetivo glorificar o nome de Deus, e mostrar a sua soberania sobre todas as esferas da criação.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

E aconteceu que, acabando Jesus de dar instruções aos seus doze discípulos, partiu dali a ensinar e a pregar nas cidades deles.

E João, ouvindo no cárcere falar dos feitos de Cristo, enviou dois dos seus discípulos, dizer-lhe: És tu aquele que havia de vir, ou esperamos outro? E Jesus, respondendo, disse-lhes: Ide, e anunciem a João as coisas que ouvis e vedes: Os cegos vêem, e os coxos andam; os leprosos são limpos, e os surdos ouvem; os mortos são ressuscitados, e aos pobres é anunciado o evangelho. E bem-aventurado é aquele que não se escandalizar em mim. Mateus 1.1-6; João 20.30,31.

INTRODUÇÃO

Milagre no latim miraculum, isto é aquilo que causa admiração. É um acontecimento perceptível e extraordinário que, ultrapassa as forças meramente naturais, tem em Deus, seu autor imediato ou mediato. Os milagres na história bíblica pertencem principalmente a quatro períodos: do tempo de Moisés e Josué, quando houve muitas manifestações divinas com sinais prodígios e maravilhas; no período do reino de Israel dividido, apesar da apostasia do povo; no período do exílio , quando o povo de Deus estava subjugado por uma nação pagã, Deus operou muitos milagres para demonstrar que Ele era supremo e único. Na era do estabelecimento do Cristianismo, Deus continuou se utilizando seu grande poder, realizando sinais e maravilhas.

Nos dois testamentos encontramos os três termos: dunamis, milagre; semeion, sinais; e terás prodígio. Alem desses temos outros que significam maravilhas, coisas gloriosas e obras extraordinárias, como palavras descritivas dos milagres no Novo Testamento. Éxodo 15.11; Daniel 4.2-3; Atos 4.30; Salmo 145.4; Mateus 11.20; Números 14.11; João 2.11. As três idéias distintas encontram-se insertas no texto bíblico. Atos 2.22.

I.OS MILAGRES NA BÍBLIA

1. Conceito.

O conceito de milagre pode ser assim explicitado: Milagre é um acontecimento que sucede contrário aos processos observados da natureza. O que é distintivo do milagre é que ele resulta do exercício do poder sobrenatural de Deus. McPherson define: “milagre é alguma coisa feita sem recorrer aos meios ordinários de produção, um resultado provocado diretamente pela primeira causa (Deus) sem a medição, pelo menos de maneira usual, de causas secundárias”. Na Bíblia usam-se diferentes palavras para referis-se aos milagres Estes vocábulos destacam os diferentes aspectos da natureza do milagre. A palavra maravilha revela que tais feitos eram extraordinários, algo que implica a necessidade de algo mais que a capacidade humana. A Palavra sinal indica que devem ser sucessos visíveis, porque isto é essencial para o seu propósito. Algumas pessoas têm opinado, com bases filosóficas ou cientificas, que milagres tais como os descritos na Bíblia são impossíveis. Mas somente se pode negar a possibilidade de milagres se fosse possível negar a existência de Deus. Os milagres não só são possíveis, mas apropriados; e se ocorrem hoje ou não, não é assunto da ciência ou da filosofia atéia, mas uma questão de fé na inabalável Palavra de Deus, base fundamental do Cristianismo, que, aliás, é a religião dos milagres; corroborado pelos milhares de testemunhos pessoais de pessoas que receberam ao longo da história da Igreja. Marcos 16.17,18.

2. No Antigo Testamento.

Milagres registrados no Antigo Testamento; cerca de cinqüenta milagres. No período anterior a Moises. Transladação de Enoque. Gênesis 5.21-24; Confusão de línguas. Gênesis 11.7-9; Sodomitas feridos de cegueira. Gênesis 19.1-11; Destruição de Sodoma e Gomorra. Gênesis 19.24-25; A triste sorte da mulher de Ló. Gênesis 19.26. No período de Moisés. A sarça ardente. Êxodo 4.1-5; A vara de Moisés torna-se cobra Êxodo 3.1-6; A mão de Moises fica leprosa e é curada. Êxodo 4.4-8; A vara de Arão torna-se serpente. Êxodo 7.9-13; As dez pragas. Êxodo 7-12; A coluna de nuvem e a de fogo. Êxodo 13.20-22; As águas do Mar Vermelho se dividem. Êxodo 14.21-30; As águas de Mara tornam-se doces. Êxodo 15.22-25; Deus manda codornizes e maná. Êxodo 16.12-36; Água da rocha. Êxodo 17.3-7; Destruição dos filhos de Aarão. Levíticos 10.1-3; Mirian curada da lepra. Números 12.1-15; Destruição de Coré e dos seus seguidores. Números 16. 31-35; Uma praga como castigo pela murmuração. Números 16.41-51; A vara de Arão floresce. Números 17.1-13; Água da Rocha, pecado de Moises e Arão. Números 207-13; As serpentes abrasadoras. Números 21.4-9; A jumenta de Balaão fala com o profeta. Números 22.28-30; No Período de Josué e dos Juizes. As águas do Jordão partidas. Josué 3.14-17; A queda de Jericó. Josué 6.17-20; O sol e a lua são detidos. Josué 10.12-13; O velo de lã de Gideão. Juizes 6.17-20; O anjo na chama dos sacrifícios de Manoá. Juizes 13.19-21; O ídolo e Dagom caído perante a arca. I Samuel 5; Os homens de Bete-Semes feridos. I Samuel 6.19-21; Período da Monarquia. Saul, Trovões e chuvas em resposta a oração de Samuel. I Samuel 12.16-19; Davi, Uzá morto por tocar na arca. II Samuel 6.6-11; Salomão, Holocausto consumido. II Crônicas 7.1-3; Período do Reino Dividido. Secou-se a mão de Jeroboão I Reis 13.1-6; A farinha e o azeite da viúva não se acabam II Reis 17.8-16; O holocausto é consumido. I Reis 18.17-40; O capitão e a sua companhia são consumidos. II Reis 1.1-18; Transladação de Elias. II Reis 2.9-12; As águas do Jordão são divididas. II Reis 2.13-15; As águas de Jerico são saradas. II Reis 222.19-22; O exercito provido de água. 3.16-20; O azeite da viúva aumenta. II Reis 4,1-7; Restaurada vida do filho da Sunamita. 4.32-37; Cem homens alimentados. II Reis 4.42-44; Naamã curado da lepra. II Reis 5.1-15; Geazi cobiçoso atacado de lepra. II Reis 5.20-27; Sírios feridos de cegueira. II Reis 6.15-19; Sírios postos em fuga. II Reis 7.1-20; Um morto, posto em contato com os ossos de Eliseu, reviveu. II Reis 13.20-21; Salvamento de Jonas. Jonas 1.1-17; No Reino de Judá. A destruição do exército de Senaqueribe. II Reis. 19.35-36; A sombra volta dez graus. II Reis 20.8-11; Uzias atacado de lepra. II Crônicas 26.19-21; Salvamento na fornalha ardente. Daniel 3.19-27; Salvamento de Daniel na cova dos leões. Daniel 6.6-23.

3. Em o Novo Testamento.

Jesus realizou muitos milagres. Nos Evangelhos registram diversos destes milagres. Em Atos são mencionados vários milagres

a) As evidências dos milagres de Jesus.

Milagre no Novo Testamento, no período inicial do ministério de Jesus, do batismo até a chamada dos primeiros discípulos. A água feito vinho. João 2.1-12; A purificação do templo. João 2.3-22; A cura do filho de um oficial João 4.46-54; Jesus escapa da turba inimiga. João 4.28-30; A pesca maravilhosa. João 5.1-11; A cura do endemoninhado. Marcos 1.23-26; A cursa da sogra de Pedro. Mateus 8.14-15; A cura de muitos enfermos. Lucas 4.40-41; O leproso. Lucas 5.12-14; O paralítico de Cafarnaum. Marcos 2.1-12; O paralítico de Betesda. João 5.1-16; O homem com a mão atrofiada. Lucas 6.6-11; A cura de muitos enfermos. Marcos 3.7-12; O criado do Centurião. Mateus 8.5-13; O filho da viúva de Naim. Lucas 7.11-12; O cego – mudo curado. Mateus 12.22; Acalma a tempestade. Mateus 8.23-27; O endemoninhado gadareno. Lucas 8.26-39; A filha de Jairo. Mateus 9.18-26; A mulher hemorrágica. Lucas 8.43-48; Dois homens cegos. Mateus 9. 27-31; O mudo endemoninhado. Mateus 9.32-34. Milagres acontecidos no segundo período do Ministério Galileu. Cinco mil alimentados. Lucas 9.10-17; Jesus anda sobre as águas. Marcos 6.30-44; Muitos enfermos curados. Mateus 14.35-36; A filha da siro – fenícia. Marcos 7.24-30; O surdo-mudo. Marcos 7.31-37; Quatro mil alimentados. Mateus 15.29-39; A cura de um cego. Marcos 8.22-26; O jovem epiléptico. Mateus 17.14-20; A moeda na boca do peixe. Mateus 17.24-27. Durante seu ministério na Pereia. O homem nascido cego. João 11.1-46; A mulher enferma. Lucas 13.10-17; O homem hidrópico. Lucas 14.1-6; A ressurreição de Lázaro. João 11.43-45; Os dez leprosos. Lucas 17.11-19; Os dois cegos de Jericó. Lucas 18.35-43; A figueira amaldiçoada. Mateus 21. 18-22; A purificação do Templo. Marcos 11. 15-18; A orelha de Malco. Marcos 14.47; Depois de sua ressurreição. A grande pesca. João 21.6-11.

b) Os milagres apostólicos.

Milagres registrados em Atos dos Apóstolos. A cura de um coxo. Atos 3.1-10; A morte de Ananias e Safira. 5.5,10; Enfermos curados 5.16; Apóstolos tirados da prisão. 5.19; Milagres de Estevão. 6.8; Milagres de Felipe. 8. 6; A cegueira de Saulo. 9.3; A vista de Saulo restaurada. 9.17; A cura de Enéias. 34; A ressurreição de Tabita. 9.40; Pedro libertado da prisão. 12.6; A cegueira de Elimas 13.11; O aleijado de Listra. 14.8-10; Uma jovem pitonisa liberta de espírito adivinhador. 16.16-18; Milagre de Paulo. 19.11; Eutico ressuscita. 20.10; A mordida duma víbora não causa mal. 28.5; a cura do pai de Públio 28.8.

II. OS PROPÓSITOS DOS MILAGRES

1. No ministério de Jesus.

Os milagres validaram a autoridade e a mensagem de Jesus Cristo. Essa foi a base para a petição por parte de alguns dos fariseus e doutores da Lei: Mestre, desejamos ver de ti algum sinal. Mateus 12.38. Nicodemos reconheceu que Jesus era mestre vindo da parte de Deus devido os sinais e prodígio e milagres que realizava. Na Igreja.

Um dos propósitos dos milagres no ministério de Jesus era certamente autenticar a sua mensagem. João 3.2; Hebreus 2.4. Através dos milagres Jesus dava testemunho da vinda do Reino de Deus. Mateus 4.23; 9.35; 10.7-8; 12.28; Lucas 4.18; 9.1-2; Atos 8.6-7, 13. Ajudava a todos os necessitados, mostrando a sua compaixão para com todos os necessitados. Mateus 14.14; 20.30, 34; Lucas 7.13. E finalmente o propósito dos milagres no ministério de Jesus era remover obstáculos para as pessoas. Mateus 8.15; Filipenses 2.25-30. Os milagres certamente devem nos levar a dar glória a Deus. Mateus 9.8; João 9.3.

2. Atualidade dos milagres.

Dentre os teólogos e historiadores encontramos uma variedade de pontos de vista sobre os milagres. Alguns dizem que a Era Apostólica terminou ao redor do ano 100 Depois de Cristo, e que os milagres estavam confinados à era apostólica e a um círculo muito restrito daquela época. Os sinais e maravilhas cessaram no final da Era Apostólica. Outros afirmam que os sinais e maravilhas, milagres cessaram porque pertenciam somente aos primeiros séculos da Igreja. Pois era mais necessário para validação do Evangelho; outros afirmam ainda que os milagres desapareceram gradativamente a medida em que os líderes da Igreja organizada se opuseram a eles. Com o advento do liberalismo teólogos do século XX, chegara a dizer que nunca houve milagres. Mas nenhuma dessas teorias tem sustentação bíblica ou histórica. Os milagres nunca cessaram. Eles têm ocorrido desde a era apostólica até agora, em diversos níveis, Fatos estes sustentados pelas Escrituras e pela história da Igreja.

III. OS MILAGRES E A CIÊNCIA

1. A realidade dos milagres.

O ministério de Jesus foi marcado pelos milagres. João 2; 23; João 6.2. Acontecia também no ministério dos primeiros apóstolos. O Milagre realizado na porta do Templo chamada Formosa. Atos 3.1-16 fizeram com que 5000 pessoas voltassem para Cristo. Atos 4.4; Atos 5.12,14, 16. Os milagres é uma realidade da Igreja Evangelística, e confirmam a mensagem. Jesus predisse que sinais sobrenaturais acompanhariam a pregação do verdadeiro Evangelho. Marcos 16.17,18: Atos 8.8; Os milagres satisfazem as verdadeiras necessidades das comunidades. É em geral difícil para as pessoas admitirem que sejam pecadoras e carentes de um Salvador, mas não é difícil convencer um doente que ele precisa de cura. Os milagres são provas da ressurreição de Cristo, base fundamental do Evangelho que pregamos e ensinamos. Atos 4.10; Os milagres estabelecem os convertidos no poder de Deus. I Coríntios 2.4,5. Quando pregamos o Evangelho no Poder sobrenatural de Deus, os convertidos são estabelecidos neste poder e através dele. E finalmente os milagres glorificam o próprio Deus, o único que pode operar milagres. Lucas 18.35-43; Marcos 2.12; Atos 4.21.

2.Os métodos científicos.

O que realmente se entende por milagre hoje? O mais comum é considerar o milagre como um acontecimento sem explicação lógica ou racional. Um fato que vai contra as leis da natureza. Determinado fenômeno sem explicação científica. Milagre como já foi dito vem da palavra latina “miraculum” e significa algo que provoca admiração. O milagre provoca esta admiração nas pessoas porque revela a ação exclusiva de Deus, somente Ele pode operar milagres num gesto gratuito, cujos fenômenos são algo importante, pois é sobre eles que repousa a fé, eles demonstram e provam que Jesus é Deus. A ciência explica tudo ou, pelo menos, procura explicar tudo. Será então que nós somos obrigados a escolher entre a ciência e a fé?

Não precisamos, mas podemos distinguir perfeitamente qual o critério de verdade da ciência, pois ela procura conhecer o como e o porquê dos milagres de forma intencional, sistemática e metódica, enquanto que a nossa fé em milagres descansa no critério de verdade da Autoridade de Nosso Deus. Hebreus 13.8.
A ciência nos ajuda conhecer quando estamos diante de um equívoco, uma fraude, ou apenas uma coincidência no tocante os milagres, mas negar a realidade dos milagres não é o seu objeto.

CONCLUSÃO

Os evangelhos apresentam os milagres de Jesus como sinais da presença do Reino de Deus. Com os milagres, Jesus realiza tudo o que foi prometido na Lei e nos Profetas a respeito do Reino.

Os milagres são como sinais dos tempos messiânicos. Quando João Batista pede que Jesus de uma comprovação de sua missão, Jesus manda os mensageiros de volta, citando passagens de Isaias como que dizendo que agora se cumpre a escritura: chegaram os tempos messiânicos. Os milagres de Jesus querem confirmar a presença do Reino de Deus no meio do povo. Os milagres aparecem assim como uma confirmação das palavras de Jesus. Os sinais que Jesus realiza dão testemunho de que Jesus é de fato o enviado do Pai. Quem faz esta leitura toda própria dos milagres de Jesus é a comunidade de João. O evangelho de João apresenta os milagres como sinais da Glória suscitando a fé em Jesus. Encontramos sete sinais em João que manifestam a Glória de Deus nas obras de Jesus.

No entanto, o próprio evangelho atesta que, apesar de tantos sinais, Jesus é recusado por alguns. Também foi acusado de ser um agente do mal sendo o poder o mesmo que o dos demônios. Jesus não obrigava ninguém a crer no que ele fazia, apenas convidava as pessoas a tirar suas conclusões diante do que ele fazia. Todos os que aceitassem os sinais aceitariam Jesus como o enviado do Pai, e que seu objetivo maior mesmo com os milagres era de levar o povo de volta para Deus.

Pastor Alcione Alves do Nascimento, CGADB 36942, é auxiliar da Igreja Evangélica Assembléia de Deus, Boqueirão, Curitiba, Paraná. Professor da EBD, e responsável pelo Ensino Doutrinário na Igreja (Sextas Feiras).

Formação Secular: Administração, Pós-graduado em gestão de Recursos Humanos; Filosofia, Licenciado em: Psicologia, sociologia e História; Inglês (Avançado). Acadêmico de Direito (8º Período).

Formação Teológica: Bacharel em Teologia e Pós-graduado em Antropologia da Revelação.

Atividades: Oficial da Polícia Militar do Paraná; Professor Universitário, das Faculdades Integradas Santa Cruz (FARESC) e Faculdade Manuel de Assis (FAMA).

Contato para: Conferências, palestras, Estudos Bíblicos e Seculares. Rua Professora Júlia Valery Legat Neal, 558. Xaxim – Cep 81810-590 – Curitiba, Paraná.

Fones 041 3275.4337 – 9115.5461 – professorn331952@yahoo.com.br

Comente